Acesso à informação
Relatório de Desempenho Empresarial 2016 FNS em Operação Ouvidoria Operações ROF disponivel para consulta Ferrovia de Integração Oeste – Leste Ferrovia de Integração Oeste – Leste Ferrovia Norte-Sul Ferrovia Norte-Sul

Operações

Operação Ferroviária - Características Técnicas e Operacionais

  • PORTO NACIONAL/TO – ANÁPOLIS/GO
  • CARACTERÍSTICAS OPERACIONAIS
    Bitola 1,60 m
    Raio Mínimo de Projeto das Curvas Horizontais 343,823 m
    Rampa Máxima Compensada 1,45% (sentido importação e exportação)
    Carga Máxima por Eixo 32,50 t
    Velocidade de Projeto 80 km/h
    Velocidade Operacional 60 km/h
    VMA atual 40 km/h

    CARACTERÍSTICAS SUPERESTRUTURA
    Lastro Pedra britada com granulometria entre 2 ½ e ½, altura de 30 cm sob a face dos dormentes no eixo dos trilhos (trilho interno no caso de curvas com superelevação), Ombro de 30 cm e Talude H=3, V=2
    Trilhos TR-57
    Dormentes Monoblocos de concreto protendido, exceto nas AMV’s, onde são de madeira tratada;
    Aparelho de Mudança de Via (AMV) Linhas e desvios principais: Nº 14 – otimizado com comprimento de agulha igual a 9,144 m (30’) e ângulo de 0º59’11’’
    Linhas dos pátios: Nº 8 – com comprimento de agulha igual a 5,029 m (0º16’6’’) e ângulo de 1º48’32’’.
    Junção dos trilhos Talas de junção de 6 furos parafusada por parafuso/porca/arruela simples de pressão (REGIÃO AMV’s)
    Barras longas (TLS) – solda elétrica
    Trilhos contínuos (TCS) – solda aluminotérmica
    Fixação Tipo Elástica, composta por grampos, palmilha amortecedora e isoladores para dormente de concreto.
    Nos AMV’s (dormente de madeira), é composta por placa de apoio, grampo elástico, tirefond e arruela dupla de pressão.

  • OURO VERDE DE GOIÁS/GO – ESTRELA D’OESTE/SP
  • CARACTERÍSTICAS OPERACIONAIS
    Bitola 1,60 m
    Raio Mínimo de Projeto das Curvas Horizontais 343,823 m
    Rampa Máxima Compensada 1,00% (sentido importação e exportação)
    Carga Máxima por Eixo 32,50 t
    Velocidade de Projeto 80 km/h

    CARACTERÍSTICAS SUPERESTRUTURA
    Lastro Pedra britada com granulometria entre 2 ½ e ½, altura de 30 cm sob a face dos dormentes no eixo dos trilhos (trilho interno no caso de curvas com superelevação), Ombro de 30 cm e Talude H=3, V=2
    Trilhos UIC-60 (predominante) e TR-57
    Dormentes Monoblocos de concreto protendido, exceto nas AMV’s, onde são de madeira tratada;
    Aparelho de Mudança de Via (AMV) Linhas e desvios principais: Nº 14 – otimizado com comprimento de agulha igual a 9,144 m (30’) e ângulo de 0º59’11’’
    Linhas dos pátios: Nº 8 – com comprimento de agulha igual a 5,029 m (0º16’6’’) e ângulo de 1º48’32’’.
    Junção dos trilhos Talas de junção de 6 furos parafusada por parafuso/porca/arruela simples de pressão (REGIÃO AMV’s)
    Barras longas (TLS) – solda elétrica
    Trilhos contínuos (TCS) – solda aluminotérmica
    Fixação Tipo Elástica, composta por grampos, palmilha amortecedora e isoladores para dormente de concreto.
    Nos AMV’s (dormente de madeira), é composta por placa de apoio, grampo elástico, tirefond e arruela dupla de pressão.

Licenciamento - Ferrovia Norte Sul Tramo Central

  • Licenciamento Ambiental
    • Licença de Operação nº 1240/2014
  • Autorização para abertura do tráfego
    • Resolução nº 4363 de 23 de julho de 2014
    • Resolução nº 4596 de 11 de fevereiro de 2015

Diagrama Unifilar